Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.

BELO HORIZONTE LIBERA EVENTOS PARA ATÉ 600 PESSOAS; AMPRO COMEMORA

redação | 02 de Julho de 2021 - 15:39

A Associação de Marketing Promocional / Live Marketing (Ampro) comemora a retomada dos eventos, anunciada na última quinta-feira (01) pela Prefeitura de Belo Horizonte. O decreto que libera a volta dos eventos na capital mineira sairá neste sábado, dia 03.
Segundo o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis, shows e teatros com público, necessariamente sentado, poderão ocorrer com limite de até 600 pessoas. Se esses eventos tiverem "relação com comida ou bebida", o limite permitido cai para 400 pessoas. Os números máximos devem respeitar até 50% de capacidade dos espaços.

Já eventos corporativos e congressos serão permitidos a partir de agosto na cidade, também com limite de 600 pessoas. Caso haja necessidade de ampliação do público, haverá análise individual por parte da prefeitura. Eventos sociais, como aniversários, casamentos, e aqueles sem cunho comercial de forma geral, poderão ser realizados, mas será exigido testagem de todos os participantes, ou com PCR negativo datado até 72 horas antes da data, ou teste rápido feito no dia. Pessoas imunizadas com duas doses, ou vacina de aplicação única não precisarão ser examinadas.

Todos os eventos devem ser comunicados à Secretaria Municipal de Polícia Urbana, com quantidade de pessoas participantes, e identificação de cada um deles.

“Com uma imunização mais acelerada, cresce a expectativa quanto a uma retomada mais consistente. O exemplo de BH deve ser seguido por outras cidades brasileiras. O mercado está preparado para seguir protocolos rigorosos e retomar suas atividades o mais rápido possível”, afirma o presidente executivo da Ampro, Alexis Pagliarini.

Localmente, o setor representa aproximadamente 4,32% do PIB nacional e reúne cerca de 20 mil empresas, somente em Minas Gerais. No Brasil, a indústria de eventos impacta mais de 50 setores da economia e movimenta, anualmente, mais de R$ 930 bilhões, o que representa quase 13% do PIB - índice maior que o das indústrias automobilística, farmacêutica e a petrolífera -, com a geração de 25 milhões de empregos diretos e indiretos.