Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.

QUEM COMPRA NESCAFÉ PLANTA UMA ÁRVORE NA MATA ATLÂNTICA

Redação | 21 de Setembro de 2021 - 15:33

Quem compra uma lata (café para coar) ou um vidro (solúvel) de Nescafé Origens do Brasil contribui com o plantio de uma árvore na Mata Atlântica. É o compromisso do café da Nestlé ao lado da SOS Mata Atlântica, pelos próximos cinco anos. Na maior ação já realizada pela ONG no bioma, a meta é que sejam plantadas, ao todo, três milhões de árvores.

Lançada em 2018 como a primeira linha 100% brasileira da Nescafé, Origens do Brasil tem no DNA o compromisso com o meio ambiente: determinou o ingresso da companhia na produção nacional de café especial (categoria máxima de qualidade no café, intrinsicamente atrelada à sustentabilidade na lavoura) e firmou o pacto de, até 2022, tornar-se a primeira marca carbono neutro do país de solúvel e para coar.

Desta vez, ao lado da ONG SOS Mata Atlântica, Nescafé reverte seu consumo de maneira ainda mais tangível, em apoio à preservação do bioma do qual dependem 70% da população, 80% do PIB, e que se estende por 17 Estados, sob constante ameaça (hoje, restam menos de 13% da vegetação que existia originalmente).

“Vivemos no dia a dia a máxima de grandes poderes, grandes responsabilidades: como a maior marca de café do planeta, possuímos o principal programa de sustentabilidade de toda a cafeicultura – e que neste mês completa 10 anos de cuidados com o produtor, os processos e a natureza”, afirma Rachel Muller, diretora de cafés da Nestlé.

Com 35 anos de existência, a ONG tem como missão inspirar a sociedade na defesa da Mata Atlântica. Junto a parceiros, a Fundação SOS Mata Atlântica já plantou cerca de 42 milhões de árvores no bioma.

“Firmar parceria com uma marca que entende a sustentabilidade para além do compliance, é mais que um fator motivador para a Fundação; na verdade, ajuda a garantir que o trabalho de preservação reverbere pela sociedade e seja, enfim, compreendido como essencial, sobretudo nestes tempos”, diz Olavo Garrido, diretor de Finanças e Mobilização de Recursos da ONG.