Brasília, 26 de Maio de 2022 - 21:04

ESTUDO APONTA AS MULHERES COM 30% DOS ASSENTOS EM CONSELHOS

A maioria (93%) das mulheres conselheiras no Brasil tem um ou mais diplomas, além do ensino superior, sendo especialização ou MBA (57%) e mestrado (27%) os mais usuais. Uma parcela menor (7%) completou o doutorado e 2% têm pós-doutorado. Mas ainda são 30% dos assentos nos conselhos, cuja maioria é masculina.

São algumas das conclusões da pesquisa "Retrato da Conselheira no Brasil" realizada pela WCD (WomenCorporateDirectors) Foundation com apoio da KPMG Brasil.

O levantamento também destacou que entre as mulheres que atuam em Conselhos de Administração, 59% operam também em Comitês de Assessoramento ao Conselho — com destaque para os Comitês de RH, Remuneração e Sucessão (30%) e de Estratégia e Inovação (21%). Há, ainda, um grupo expressivo que concilia a carreira de executiva com a de conselheira — são 48% das conselheiras que responderam à pesquisa. Dessas, 28 % são CEO/Presidentes, 26% estão em cargos de diretoria executiva ou head de área em multinacionais e 10% carregam o chapéu de CFO.

A maioria (80%) das conselheiras afirma que suas opiniões são sempre ouvidas e consideradas, enquanto 19% ainda sentem dificuldade em conquistar espaço e 1% dizem que raramente têm voz. Sobre remuneração, a maioria recebe anualmente até 100 mil (32%) ou atuam pro bono (25%).

“A pesquisa WCD aponta que os principais obstáculos para as mulheres chegarem aos conselhos são, em geral, a falta de networking e relacionamento com a comunidade de governança e falta de engajamento de stakeholders com a diversidade nos conselhos”, afirma Marienne Coutinho, Sócia da KPMG no Brasil e Co-Chair da WCD Brasil.

A ampla maioria das conselheiras é brasileira (98%), branca (97%), têm entre 51 e 60 anos (45%), é mãe (82%), cisgênero (88%), heterossexual (98%). Estão concentradas com residência no estado de São Paulo (74%). A principal área de formação acadêmica é Administração de Empresas (28%), seguida por Ciências Financeiras, como Economia e Contabilidade (16%), e depois Engenharia e Direito (12%). A área de humanas também tem grande representação, com 9% delas formadas em Comunicação/Marketing e 7% em Psicologia.

A primeira edição da pesquisa Retrato da Conselheira no Brasil contou com 226 respondentes, de 10 Estados brasileiros, representantes de 11 setores de atuação. 

Tags

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Assuntos Relacionados