Brasília, 01 de Outubro de 2022 - 8:30

Publicidade gera empregos, gera riquezas. E agora gera créditos em impostos.

     Uma história comum no Brasil: uma empresa varejista é autuada pela Receita Federal por ter tomado créditos de PIS e Cofins, recebendo uma multa milionária. A empresa, claro, recorre. Aí vem uma história rara: dois anos após essa autuação, o órgão de primeira instância da Receita Federal decide que despesas essenciais permitem créditos de PIS e Cofins. E o mais incrível: cancela a autuação sobre despesas de publicidade e propaganda.

O novo entendimento da Receita destaca que, em um segmento tão competitivo como o varejista, o investimento em propaganda é essencial para o sucesso da atividade. E toda iniciativa imprescindível para o desenvolvimento de uma atividade econômica está apta a gerar créditos de PIS e Cofins. A publicidade brasileira não é apenas conhecida mundialmente por sua qualidade; tem um potencial transformador. Segundo estudo feito com metodologia da consultoria Deloitte, a cada real investido em publicidade, são gerados mais de 10 reais no PIB brasileiro.

O PIS e a Cofins são contribuições para a seguridade social, previstas na Constituição Federal, que passaram a incidir sobre todo o faturamento das pessoas jurídicas. O que era para ser uma contribuição pequena, do tipo que não atrapalha o bolso do empresário, transformou-se no principal instrumento do governo federal para incrementar sua arrecadação (sem dividir com os estados). A maior crítica era a de serem contribuições cumulativas, de incidirem sobre toda a cadeia produtiva repetidamente, em cascata, criando grave distorção.

Quando, em 2003, as alíquotas mais que dobraram, o governo tornou as contribuições não cumulativas. Logo, elas incidiriam uma única vez, permitindo que os empresários descontassem o valor pago anteriormente, tal como o ICMS, mas com um pequeno detalhe: enquanto o PIS e a Cofins, ao contrário do ICMS e do IPI, incidem sobre todas as receitas da empresa, os créditos são restritos aos produtos considerados insumos, ou seja,na prática, limitam-se à matéria-prima, sem chance de discussão no caso concreto. Para a Receita, a lei é taxativa.

Decisão corajosa do STJ em 2006 (REsp 1.221.170-PR), em sede de recurso repetitivo (cujo entendimento é aplicável a todas as causas similares), reverteu a questão. Citando filósofos, o ministro relator NapoleãoNunes Maia Filho mostra, de forma quase poética, que, afinal, se o PIS-Cofins incide sobre o faturamento, então o crédito somente pode decorrer das despesas. Em suas palavras, “conclusão de clareza tão ofuscante ou brilhante como a do sol nordestino”. Para o ministro, a regulamentação restritiva pela Receita Federal é normal “quando se confere ao credor o condão de arbitrar quanto o devedor lhe pagará”. Assim, conclui que o critério para a tomada de créditos é o da essencialidade. Se uma despesa é essencial para a atividade da empresa, permite o direito a crédito. Se a despesa, uma vez retirada, inviabiliza o resultado, permite o direito a crédito.

Decisão recente da Delegacia da Receita Federal de Julgamento (Processo 10540.721182/2016-78) muda todo o cenário para o varejista. Não só adota o conceito de essencialidade, como também determina expressamente que as despesas de propaganda e publicidade dão direito a crédito. A decisão, que animou o mercado, foi tomada no caso concreto, apenas para o contribuinte autuado (Ricardo Eletro). Portanto, o varejista que efetuar o crédito das despesas de propaganda ainda corre o risco de receber a visita da Receita Federal e ser autuado, podendotentar reverter em recurso, mas agora com chance real de vitória, o que muda o cenário sensivelmente.

Todo empresário sabe de cor quais despesas são essenciais para sua atividade, aquelas “imexíveis”, que não podem ser retiradas sem impacto direto no resultado. A primeira que vem à cabeça do varejista são as de propaganda e publicidade.

Com essa decisão, abre-se a possibilidade, para os varejistas que forem tributados pelo lucro real, de levantar os valores pagos empublicidade e propaganda e lançá-los como créditos de PIS e Cofins. Na prática, isso reduz 9,25% dessa despesa diretamente da apuração dos tributos. E ainda mais importante: estabelece claramente que publicidade é uma atividade essencial, capaz de transformar muitas outras atividades e a economia do país.

Pedro Marrey Sanchez, advogado tributarista, inscrito na OAB/SP sob nº 168.767.
Mario D’Andrea,
presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade (ABAP).

Notícia transcrita do jornal Correio Braziliense em 09 de agosto de 2019, Opinião, Pág 15.

Tags

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Assuntos Relacionados