Brasília, 27 de Setembro de 2022 - 23:27

ENCONTRO DE ANUNCIANTES E AS FERRAMENTAS NOVAS

Na abertura do Encontro Nacional dos Anunciantes (ENA), realizado nessa quarta-feira (31) em São Paulo, Nelcina Tropardi afirmou: “Foram dois anos que nos empurraram vários passos à frente para o futuro”, sobre as inúmeras mudanças na indústria da comunicação.

E as transformações continuam a bater na porta, segundo a presidente da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA). É a partir deste cenário que soluções como retail media começam a preencher o mercado global, devendo representar 15% da publicidade digital em 2024, segundo dados do emarketer, e 10% no Brasil, de acordo com estimativa com dados da Kantar, informa Propmark.

Para Vitor Bertoncini, diretor da ABA e diretor executivo de marketing e líder do RD Ads da RaiaDrogasil, o retail media é um modelo que chega não para substituir, e sim para complementar e levar os anunciantes a outro nível. “Cada vez mais isso vai fazer parte da nossa vida como anunciante”. A rede de drogarias oferece o serviço desde 2017 e hoje conta com 45 milhões de cadastros ativos de pessoas que usam as lojas físicas e ainda 20 milhões de usuários que baixaram o app.

A mídia também esteve no centro de um painel sobre (Multi Touch Attributtion), que busca jogar luz sobre a mensuração das estratégias de marketing online e offline. Usando exemplos do modelo de cuponagem digital do McDonald’s e Burger King, Marcelo Tripoli, ceo da Zmes, mostrou como o formato pode ser usado pelo mercado para obter informações dos consumidores, analisar as jornadas e criar relacionamento.

O evento tratou ainda de uma velha questão de mercado: a relação entre agências e anunciantes. “No momento em que a gente parou de conversar e falar as verdades, as relações basicamente acabaram”, afirmou Marcia Esteves, CEO e sócia da Lew’Lara\TBWA, ao defender o diálogo como o caminho para a construção de parcerias efetivas entre agências e anunciantes. A executiva disse que agências nasceram para contribuir estrategicamente com as marcas e os seus negócios, seja no curto ou longo prazos, mas estão assumindo um papel cada vez mais de fornecedores. “Isso não vai dar certo”, adicionou. Ian Black, fundador e diretor-executivo da New Vegas, observou que o mercado tem uma “obsessão” com o futuro, relatórios de tendência e elementos tecnológicos. E, às vezes, acaba por não dar o valor adequado ao presente. “Remuneram bem demais futuristas”, disse. “Pagam muito pouco para entender como as pessoas se comportam no presente”, acrescentou.

Tags

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Assuntos Relacionados