Brasília, 26 de Novembro de 2022 - 16:56

Agência tem que ajudar a marca a facilitar a vida do cliente

 O programa Chacoalha da última quarta-feira (14), promovido pela Federação Nacional das Agências de Propaganda (Fenapro), teve como convidado o sócio fundador e CCO da Figtree&Co, Ricardo Figueira. No bate-papo com o presidente da Fenapro, Daniel Queiroz, Ricardo apresentou diversos insigths sobre as novas dimensões da criatividade e dos negócios, no atual cenário de ascensão do digital no mercado da publicidade e da comunicação.

Durante o programa, Ricardo apresentou alguns cases de sucesso sobre a nova realidade, que ele batizou de "renascença da construção de marca". Já não basta mais criar mensagens ou conteúdos para definir uma marca – é preciso criar ações que gerem valor para as pessoas, por meio de projetos inovadores, conteúdos e propósitos de uma marca.

"Criatividade e inovação nunca foram tão importantes. São, simplesmente, fatores cruciais para a sobrevivência hoje. Contudo, não se trata apenas de criar conteúdo mas, sim, de criar valor com a combinação de conteúdos e ações diversas, que vão gerar a percepção de marca nos consumidores", destacou Ricardo. "A ‘renascença’ da construção de marca significa criar motivações para as pessoas amarem uma determinada marca, o que passa pela experiência diária do consumidor. E as agências que souberem ajudar uma marca a facilitar a vida do cliente terão vida longa nessa nova realidade", opinou.

Para exemplificar o tema criatividade, Ricardo apresentou um case ganhador do prêmio "História de marca do ano de 2017" na Europa, sobre uma campanha para a Fleetlights.

O case mostra como a Fleetlights conseguiu ajudar os habitantes de uma cidade da Inglaterra – conhecida pela pouca eletricidade disponível para iluminar as ruas e estradas durante a noite – a solucionar o problema, que tinha colocado a cidade na posição de campeã de acidentes no país.

A solução foi a criação de um serviço inovador de drones que emitem luzes ao longo de todo o trajeto, e que podem ser controlados pelo consumidor via aplicativo, enquanto ele se desloca a pé ou de carro pela cidade, apoiado por um serviço essencial para a comunidade local.

Para Daniel Queiroz, a equipe criativa dessa campanha não pensou apenas no produto em si, mas em uma ideia como alternativa para melhorar a vida das pessoas, indo muito além de inovação."

Outro ponto debatido no Chacoalha foi a questão da transformação digital e a necessidade de ela ser realizada juntamente com a "humanização da tecnologia", que significa ensinar as pessoas a lidarem com a tecnologia. De acordo com Ricardo, ainda há muita confusão sobre a transformação digital e ela está acontecendo apenas dentro das empresas, sem ser acompanhada, de fato, como um serviço ofertado ao mercado, que acompanhe fielmente a transformação dos novos hábitos das pessoas, diante do impacto do digital.

"É verdade que toda agência precisa atualizar sua tecnologia, mas não adianta fazer isso sem renovar a forma como se trabalha com os clientes, sem propor algo novo em termos de novos hábitos, de maior conveniência e maior facilidade. O perigo está na fragmentação do processo e nos nichos digitais, que confundem os clientes e os deixam sem saber para onde recorrer conforme suas necessidades. Por isso, penso que a transformação digital deve ser realizada junto com uma transformação cognitiva, cultural, das pessoas mesmo e dos clientes. É necessário fazer a "humanização da tecnologia", que, para mim, é a maior revolução. E isso só se consegue fazer através da humanização da empresa, não adianta ter tecnologia que não cabe na cultura das pessoas", completou Ricardo.

Tags

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Assuntos Relacionados