Brasília, 26 de Maio de 2022 - 20:50

MAIORIA OU 53% DAS AGÊNCIAS AUMENTARAM FATURAMENTO EM 2021

As expectativas das agências para seus negócios e para o setor de publicidade como um todo ficaram mais positivas ao final de 2021, segundo a pesquisa VanPro, realizada pelo Sistema Sinapro/Fenapro.

Importante termômetro dos negócios e da gestão das agências, a pesquisa mostra que, do ponto de vista financeiro, houve uma melhoria do cenário quanto ao impacto da crise sobre as empresas. Dados apurados junto a 312 agências de 23 estados e do Distrito Federal mostram que 53% das empresas relataram aumento de faturamento, comparado a 2020.  Apenas 19% apontaram perda de receita em relação ao ano anterior, e 7% tiveram perdas superiores a 30% no faturamento. 

“Quatro em cada cinco agências mantiveram ou ampliaram seu faturamento em comparação ao ano anterior. Trata-se de um dado que corrobora com a ideia de que o mercado passa por uma boa recuperação e está se recuperando do forte baque causado com o início da pandemia”, afirma Daniel Queiroz, presidente da Fenapro.

A percepção dos entrevistados sobre o futuro, como boas ou muito boas, ficou em 67%. As que apontam como ruim, muito ruim ou de interrupção das atividades foram 5%, e o número daquelas que não conseguem prever, 3%.

A pesquisa VanPro mostra também que as agências apontaram maior adesão a práticas de gestão, como o planejamento estratégico (63%), planejamento orçamentário (61%) e acompanhamento de indicadores/KPIs (28%). A gestão de recursos humanos vem logo em seguida, com destaque para práticas como feedback gerencial (49%), avaliação de desempenho (37%) e programa de remuneração variável (25%). 
Práticas mais ousadas e que auxiliam no processo de inovação, como a gestão ágil (20%), OKRs (Objectives and Key Results) (14%), Design Sprint (7%) e colegiados de inovação (3%) estão conquistando mais espaço. 

“Já com relação às práticas de gestão, o quadro não avançou como deveria. Isso pode significar que boa parte do otimismo apontado pelas empresas pode não ser aproveitado. De modo geral, apesar de sabermos que uma parcela das agências está investindo bastante no aprimoramento de sua gestão, a maioria precisa investir em modelos de gestão que façam as pessoas darem o seu melhor, com um engajamento genuíno”, opina Queiroz, que defende práticas mais ousadas e articuladas com a inovação empresarial.

“Em um negócio que está vivendo uma intensa transformação, é imprescindível a priorização e adoção de práticas que levem as empresas a atualizarem e fortalecerem os seus modelos de negócio e de operação. Obviamente, a grave crise causada pela pandemia do Covid-19 comprometeu recursos e fez várias empresas funcionarem em “modo de emergência”. Mas os próprios resultados positivos e o otimismo com relação ao futuro apontam que essas práticas já podem ser fortalecidas nas agências brasileiras”, pondera o presidente da Fenapro. “Justamente por conta destas demandas e desafios, lançaremos a segunda edição do Paper Transforma, que traz recomendações práticas para a atualização e inovação do modelo de gestão das agências”, adianta Queiroz.

Adequação à LGPD

A pesquisa VanPro também detectou que 62% das agências afirmam não estarem totalmente preparadas para a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), com 47% se avaliando parcialmente preparadas e 15% se considerando não preparadas.

Perfil das agências entrevistadas

O perfil predominante dos participantes da sondagem VanPro é similar ao das sondagens anteriores. A maioria dos respondentes foi de agências full-service (97%), com equipes de até 20 pessoas (56%). A maioria das empresas tem mais de 20 anos de existência (42%) ou entre 11 e 20 anos (32%). E 91% são associadas ao Sinapro de seu estado, e 79% certificadas pelo CENP.

Já a receita anual das empresas participantes desta pesquisa VanPro representa bem o que é, na prática, o mercado nacional de agências. A maior frequência é de até R$ 1 milhão, representando cerca de 36% das agências. Aproximadamente 30% do conjunto dos participantes da sondagem tem receita anual entre R$ 1 milhão e R$ 3 milhões: 9% entre R$ 3 milhões e R$ 5 milhões, e 12% têm receita de R$ 5 milhões a R$ 10 milhões. As empresas com receita anual superior a R$ 10 milhões também representaram 13% dos respondentes.

Tags

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Assuntos Relacionados