Brasília, 26 de Maio de 2022 - 12:07

MULHERES OCUPAM 30% DOS CARGOS NA ÁREA DE TECNOLOGIA, DIZ UNESCO

O debate sobre a participação das mulheres em cargos de tecnologia precisa de respostas e soluções rápidas, devido ao ambiente de mudança em que vivemos. O pivô digital torna-se crucial em termos de produtividade pois, juntamente com as novas tecnologias, volta-se para o restante da economia para tornar seus processos mais eficientes, criar novos negócios e gerar empregos de qualidade e igualitários, aumentando sua participação no mercado de trabalho.

Embora durante anos o setor de tecnologia tenha sido liderado por homens, as tendências do setor mudaram. Hoje, o número de mulheres em posições de liderança cresceu. As perspectivas na América Latina são mais animadoras. Em 2016, a participação das mulheres no segmento era de 16%. Agora, está em torno de 30%, de acordo com o último relatório da Unesco.

Segundo uma pesquisa da consultoria global de tecnologia Thoughtworks, entre os profissionais de TI, as mulheres já atuam em 31,7% dos cargos. Ainda há barreiras para se enfrentar. Por exemplo: entre os pesquisados, 57% das pessoas iniciaram sua carreira na tecnologia em centro de ensino formal, mas ainda há um grande percentual dos que começam a aprender de forma livre. Já dentro das organizações, em 64,9% dos casos as mulheres representam, no máximo, 20% das equipes de trabalho em tecnologia, nos cargos: desenvolvedora, analista, gerência, project, tester e design.
De acordo com a Associação Telecentro de Informação e Negócio, 36,3 mil mulheres formadas na área buscam colocação no mercado de trabalho.

A diferença também está presente na escala salarial. Segundo uma pesquisa salarial recente realizada pela Catho, mesmo ocupando os mesmos cargos e com as mesmas funções, as mulheres chegam a ganhar até 34% menos que os homens. O que ocorre, também, nos cargos de liderança. Em funções como gerente e diretor, por exemplo, elas chegam a ganhar 24% menos que eles.

Mas algumas empresas de tecnologia já perceberam a importância de aumentar a participação feminina em seus quadros, como a Softline, que atua em mais de 50 países em segurança cibernética. A empresa conta com 40% de mulheres em suas diferentes subsidiárias na América Latina.

Tem o programa Softline FemTech, que promove a liderança e a equidade das mulheres, por meio de palestras e participação como painelistas das lideranças da empresa.

“Este programa será reforçado em 2022 com novas iniciativas e atividades destinadas a destacar o papel das mulheres na indústria de TI na América Latina”, explica Miriam Strelczuk, diretora de marketing da Softline na América Latina.

Tags

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Assuntos Relacionados